Meia idade. Topo da carreira. Prestígio. Tudo isso Catarina tem. Figura conhecida da informação televisiva, tem tudo o que se poderia querer: Fama, reconhecimento, uma relação (aparentemente) estável. Mas será que isso lhe chega? Que outros dramas se escondem, e que outras fendas se abrem?

Rodrigo Francisco acumula a escrita e a encenação de “Fenda”, o seu mais recente trabalho. Nele, coloca questões do sucesso, da excessiva mediatização que vivemos, das relações por vezes obscuras do mundo dos negócios. Também nos faz pensar sobre o que resta do colonialismo português, e sobre os esquemas monetários que ainda subsistem. Fala também sobre relações de poder, laborais e familiares.

A história é-nos contada em flashes, em cenas curtas entrecortadas pelo blackout da sala enquando muda a cenografia. Cenografia essa que está muito bem conseguida, com duas paredes móveis e alguns elementos de mobília, que se reconfiguram de cena para cena.

Os actores estão a muito bom nível. Destaco Maria João Abreu, protagonista, a quem o papel assenta na perfeição. Retrata bem as dúvidas, os dramas, e as escolhas de Catarina. Destaco também Diogo Dória, que retrata um velho magnata da comunicação social, que nos faz lembrar alguém do nosso panorama actual.

O uso do vídeo é eficaz, simulando os noticiários, entrevistas, intervenções em directo ou mesmo, no fim, ilustrando a fragilidade da protagonista.

Caso seja preciso ainda reforçar, Almada está bem no mapa do panorama cultural actual, seja com os espectáculos que tem levado a cena, quer na organização do Festival de Teatro, que este ano volta a prometer qualidade e sucesso.

“A dor é como uma fenda que não pode fechar-se.
Podemos tapá-la com uma data de coisas, fingir que ela não está lá – mas está.”
(Fala de Catarina)

Fenda, de Rodrigo Francisco
15 Março a 07 abril 2019
Teatro Municipal Joaquim Benite
Almada

Intérpretes Adriana Melo, Carlos Fartura, Diogo Dória, João Farraia, João Tempera, Maria João Abreu, Mina Andala, Pedro Walter e Filipe Couto (estagiário)
Cenografia Jean-Guy Lecat
Figurinos José António Tenente
Luz Guilherme Frazão
Som Miguel Laureano
Vídeo Cristina Antunes
Assistente de figurinos Susana Marques Mira
Montagem Abel Duarte, Daniel Ladeira, Diogo Fidalgo, Diogo Silva, Ivan Teixeira, João Gouveia, Miguel Laureano, Paulo Horta, Pablo Juan, Ricardo Abrantes, Vitor Aloisio
Fotos Rui Mateus

Categorias: Teatro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *