O Bestiário nasceu oficialmente em 2018 pelas mãos de Afonso Viriato, Helena Caldeira, Miguel Ponte e Teresa Vaz. Um conjunto de vontades reuniu-se com a ambição de fazer teatro, e nele incorporar as ciências. Já trabalham na sua segunda criação, “Umbra” mas, entretanto, voltam a apresentar a primeira, “Atmavictu”, na Escola de Mulheres.

Neste espectáculo, que viaja entre o sonho e a realidade, estão presentes três temas: o amor, a revolução, e a vida em Marte. Estes mundos entrecruzam-se, tocam-se, e logo se afastam, em jogos que têm algo de experimentação, mas também algo de bem estruturado. E estes dois aparentes opostos convivem bem.

O dispositivo cénico é original. O público, sentado a toda a volta da cena, tem detrás um longo plástico fino, que delimita o espaço. No centro, também plastificado, apenas um balde, um alguidar e um regador. E a presença de duas figuras humanas que ora dialogam, ora se afastam, ora se juntam num beijo infinito.

As interpretações de Helena Caldeira e Miguel Ponte são sólidas, destacando-se a sua enorme fisicalidade, e a aparente leveza com que entregam o texto, mesmo depois de intenso trabalho corporal.

Atmavictu tem textos e direção artística de Teresa Vaz, e apoio à direção artística de Afonso Viriato, os dois outros membros do colectivo.

Esta é, pois, uma auspiciosa estreia do Bestiário, e um nome a ter em radar, no que de novo se faz no teatro em Portugal. Espera-se com muito interesse a sua segunda criação.

PS – Não percam a folha de sala, onde ficarão a saber como cuidar de uma orquídea.

Entrevista dos membros do Bestiário ao Coffeepaste

Atmavictu, de Bestiário
29 novembro – 2 dezembro 2018
Escola de Mulheres
Lisboa

Texto e direção artística // Teresa Vaz
Apoio à direção artística // Afonso Viriato
Interpretação // Helena Caldeira* e Miguel Ponte
Cenografia e curadoria de figurinos // Bruna Mendes
Música // “Ceci nes’t pas une beat!” de FOQUE; “Die Winterreise, D.911: Gute Nacht ” e “String Quintet in C Major, D. 956: II. Adaggio” de Franz Schubert; “La mamma morta” de Andrea Chenier
Fotografia // Daniela Jácome
Produção // BESTIÁRIO
*Estagiária gentilmente cedida pelo Teatro Nacional D. Maria II

Categorias: Teatro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *