António Torres é licenciado em Artes Performativas (2009) e em Dança (2014). Desde então tem trabalhado em colaboração com criadores tais como Victor Hugo Pontes, Maurícia Neves ou Lígia Soares.

“Swan Fake” é a sua primeira aventura a solo, estreada na Rua das Gaivotas6, depois da antestreia no Cartaxo, no âmbito do “Materiais Diversos”.

Este solo resulta de uma série de residências artísticas, e de uma pesquisa do autor sobre a figura do cisne na dança clássica, tendo como referência as obras “Swan Lake” e “The Dying Swan”. Nelas, António Torres inspirou-se para a criação deste espectáculo.

Trata-se de uma peça que integra polos opostos (ou serão complementares?). O masculino e o feminino mostram-se num único corpo. Homem e animal contrastam. O movimento tribal e o clássico coabitam e intercalam-se. A música intensa e o silêncio alternam. A calma e o caos entrecruzam-se. No corpo de António Torres estão todas essas oposições ou complementaridades.

O figurino, que ilustra essa dualidade masculino / feminino é muito eficaz, como que dividindo o corpo a meio, até que no final nada resta.

Este é um trabalho promissor do bailarino e coreógrafo, de quem se espera com interesse o que se segue. E o que se segue é o espectáculo “Geminis“, de que António Torres apresentará em parceria com Sérgio Matias um work in progress na edição deste ano do Festival Temps d’Images.

Entrevista de António Torres ao Coffeepaste

Swan Fake, de António Torres
1-3 novembro 2018
Rua das Gaivotas6
Lisboa

conceção, performance e figurino António Torres
apoio dramatúrgico Sofia Freitas Abreu
desenho de luz Sara Garinhas
som Mestre André
fotografia Bruno Simão
produção António Torres
residências O Espaço do Tempo, Luzlinar a.c., Rivoli, Escola Superior de Dança (Materiais Diversos), Musibéria e Centro Cultural do Cartaxo (Materiais Diversos)
antestreia Centro Cultural do Cartaxo (Materiais Diversos)
coprodução O Espaço do Tempo
apoio à criação Materiais Diversos
apoio Luzlinar e org.i.a
agradecimentos Pia Kraemer, Cristina Correia, Catarina Morla, Tânia Guerreiro e Elisabete Paiva

Categorias: Dança

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *