A palavra, a palavra, a palavra, a palavra, a palavra.
O texto, o texto, o texto, o texto, o texto.

E se aos espectadores fosse dado, à entrada da sala, um livro com o texto completo do espectáculo? E se os espectadores pudessem ler, e depois ver? E se lhes fosse dada a escolha de ler ou não ler, de ver ou não ver?

Miguel Castro Caldas traz-nos um texto em crescendo, de uma relação a três, onde os temas da amizade, amor, fidelidade, traição, altruísmo, egoísmo, e tantos outros são trazidos para cena.

A expressão “se eu vivesse tu morrias” é vista de vários ângulos ao longo da peça, com humor, com seriedade, com nonsense.

Destaco as interpretações dos três actores Lígia Soares, Miguel Loureiro e Tiago Barbosa, que nos levam numa viagem emocional do principio ao fim, ora embrenhando-nos na trama, ora desconcertando-nos ao quebrar a “quarta parede”.

Este espectáculo venceu o Prémio SPA para melhor texto de teatro de 2016. Se puderam assistir a uma das três noites que esgotaram na Culturgest, perceberam porquê. Se não, há que esperar por mais uma reposição, que certamente continuará o sucesso até agora alcançado.

Uma justa homenagem à palavra dita, e à palavra escrita.

Entrevista de Miguel Castro Caldas ao Coffeepaste

Se eu vivesse tu morrias, de Miguel Castro Caldas
6-8 março 2018
Culturgest
Lisboa

Conceção Miguel Castro Caldas, Lígia Soares e Filipe Pinto Direção e texto Miguel Castro Caldas Criação, interpretação e figurinos Lígia Soares, Miguel Loureiro e Tiago Barbosa Criação, cenografia, imagem, figurinos Filipe Pinto Criação, som, vídeo, luz Gonçalo Alegria Direção técnica Cristóvão Cunha Criação e assistência aos ensaios Catarina Salomé Marques Pré-produção Marta Raquel Fonseca Produção executiva Vânia Faria Gestão e difusão [PI] Produções Independente Coprodução Culturgest e Fundação GDA Apoio à produção Polo Cultural das Gaivotas, AND_Lab, Research on Art-Thinking & Togetherness, Máquina Agradável – Associação Cultural, Enseada Amena – Associação Cultural, Espaço do Tempo Agradecimentos Ana Matoso, António Gouveia, Bruno Humberto, Fernanda Eugénio, Marta Rema, Miguel Cardoso, Susana Gonçalves Estreia 9 de dezembro de 2016, Culturgest

Categorias: Teatro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *