A inspiração para Savar A. M. partiu de um grave acidente numa fábrica de vestuário no Bangladesh, onde morreram mais de 1000 pessoas. Para este espectáculo, a peça de vestuário escolhida foi a calça de ganga.

Começamos por ouvir um relato áudio de uma notícia do desastre. Lentamente, uma das performers (Liliana Garcia) entra em cena junto a uma estrutura em forma de escada. Poderá representar o prédio que que desabou? É uma subida lenta, degrau a degrau, com equilíbrios e desiquilíbrios, que nos dá a sensação de tensão crescente.

No segundo quadro, Vasco Gomes ilustra a rotina infernal do que será trabalhar numa fábrica deste tipo num país do terceiro mundo. Repete, cronometrando, uma série de acções que simulam o fabrico de um par de calças. A cada repetição aumenta a complexidade e a tensão da acção, quer pelo ritmo impresso, quer pelos elementos que são acrescentados a cada ciclo de fabrico.

Na secção final da performance, o acrobata Daniel Seabra ocupa a terceira parte do dispositivo cénico, uma estrutura metálica com vários pares de calças de gangas suspensas, atadas umas nas outras. O performer trepa, cai, enleia-se e rodopia, numa sequência que nos transmite a energia do desespero, da derrocada, mas ao mesmo tempo de uma sensação de que não se pode parar, de que a produção tem de continuar.

Este é um espectáculo que nos faz reflectir sobre a fragilidade da vida humana, sobre a sua exploração em muitas partes do mundo, sobre o valor do trabalho, e sobre um planeta cheio de contradições.

A Companhia Erva Daninha surgiu em 2006 e cria na área do circo contemporâneo, nomeadamente no circo documental.

O espectáculo foi apresentado em Torres Novas, dentro da programação do Caminhos do Médio Tejo.

Savar A.M.
Direção Artística – Vasco Gomes
Criação e Interpretação – Daniel Seabra, Liliana Garcia, Vasco Gomes
Música Original ao Vivo – Baltazar Molina
Desenho de Luz – Alves Correia
Assistência de Direção e Concepção Plástica – Julieta Guimarães
Coprodução Teatro Municipal do Porto • Duração aprox. 45 mins

Foto: Hugo Magro/Caminhos da Pedra 2018

Categorias: Circo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *