À hora do espectáculo, o performer recebe-nos, dá-nos as boas vindas e faz uma explicação rápida do dispositivo: Há duas salas, por onde, e entre as quais podemos circular livremente. Uma sem luz e uma iluminada.

Passei pela sala escura, mas o meu baixo sentido de orientação não me permitiu permanecer muito tempo. Ouviam-se palavras e, noutra altura, estando na sala iluminada ouvi gritos vindos de lá.

Na sala “às claras”, o performer está vendado com um barrete que lhe cobre os olhos. Vai, lentamente, percorrendo a sala, ora “medindo” os seus limites (as paredes), ora traçando rectas e diagonais pelo espaço. O público circula livremente, observando a acção, lendo as mensagens escritas no rodapé da sala.

Quando se opta por deixar o público sem lugar definido, abrem-se questões e possibilidades, tanto para o artista, como para quem assiste. Que fazer? Ficar quieto? Circular? “Interpelar” o artista? Nesta performance em particular houve duas situações de “encontro”. O performer cruzou espaços ocupados por elementos do público, que optaram por não se mover. Assim, intencionalmente ou não, gera-se uma troca, mais ou menos confortável conforme o caso, entre artista e público.

Aqui entra o elemento do inesperado e do improviso. O artista tem o poder de evitar o contacto, contornando o “obstáculo”, forçando a passagem, ou interagindo com ele. Vimos um pouco dos três nesta noite, e diria que foram bem resolvidos.

Em resumo, penso que Carlos Manuel Oliveira, apesar de ter tido pouco tempo para trabalhar neste espaço em particular, levava um plano bem estudado, e trouxe-nos uma performance ao mesmo tempo meticulosa e livre, com detalhes de uma precisão notável.

Proposições, de Carlos Manuel Oliveira
25-27 setembro 2018
Rua das Gaivotas6
Lisboa

coreografia e performance Carlos Manuel Oliveira
apoio à criação Incubadora D’Artes (Santarém), Programa Artistas em Residência (Montevideo), GEN – Centro de Artes y Ciencia (Montevideo), Centro de Referência da Dança de São Paulo, Teatro Baden Powell – Prefeitura do Rio de Janeiro
apoio à circulação e internacionalização Fundação GDA, Fundação Calouste Gulbenkian, DGArtes – Direcção-Geral das Artes | República Portuguesa – Cultura

Categorias: Performance

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *