Quando sentada na sua máquina de costura a fazer roupas para os seus 14 filhos nunca Maria Leopoldina Félix Pinheiro da Silva pensou que em 2019 a sua vida ia ser apresentada ao mundo. Uma vida sonhada, sofrida, batalhada mas mais que tudo isso uma vida vivida. Não sei se a Keli a descobriu ou se simplesmente a “libertou” dos diários mas entramos no TNDMII como quem entra para as páginas de um deles. O ritmo frenético que vivemos nas grandes cidades faz-nos, na maioria das vezes, perder o foco das imagens instantâneas nesta longa-metragem que é a nossa vida.

Um diário.

Parece mesmo tão simples, tão pouco mas juntando palavras, juntando imagens conhecendo o enquadramento histórico consegue desenhar-se um modelo de vida de época, de pertença a um espaço. A Keli conseguiu-o magistralmente: em cada linha do emaranhado da vida fomos percorrendo caminhos, fomos saltando entre pequenos fragmentos de um total. Em cada grão de café fomos saboreando as dores entrecortadas por alegrias. Em cada gomo da laranja fomos inundados pela forma como o doce e o amargo podem estar presentes em cada momento da vida.

Estamos numa assoalhada da casa de Osmarina e acabamos por percorrer cada assoalhada da sua vida – uma vida de trabalho, de abandono, de falta de amor. Uma vida de abnegação. Mas uma vida de resiliência, de luta, de determinação. Uma vida que se fez longa, uma vida que se alongou mais ainda aos olhos de quem, como eu, assistiu hoje a este momento envolvente.

Existem muitas Osmarinas, muitos diários, postais, cartas. Quantas Kelis existirão para os fazer viver?

Osmarina Pernambuco não consegue esquecer, de Keli Freitas
21 nov – 8 dez 2019
Teatro Nacional D Maria II
Lisboa

texto, encenação e interpretação Keli Freitas
cenografia e figurino Elsa Romero
desenho de luz Anaísa Guerreiro
canção original João Bittencourt
apoio à criação Cláudia Gaiolas, Elsa Romero
apoio musical Mariana Ricardo
construção de cenografia Saulo Santos
costureira Elisabeth Pereira
produção executiva Vanda Cerejo
produção Associação Cultural TRUTA
coprodução TNDM II
apoio Polo Cultural Gaivotas | Boavista, Sociedade Filarmónica Comércio e Indústria da Amadora

Categorias: Teatro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *