O ponto de partida para “O Olhar de Milhões” foi o entretenimento, e uma série de sub-temas a ele associados. Num cruzeiro, algures no futuro, cinco passageiros são confrontados e vivem situações do passado (fim do século XX e inicio do século XXI) sempre numa espécie de transe que perpassa a acção.

Além do sempre presente entretenimento, temas como as relações amorosas e íntimas, as relações com o desconhecido, as relações interpessoais, a violência, a internet e a comunicação ou a falta dela, estão sempre presentes em palco.

Os 5 interpretes alternam os papeis de membros da tripulação com os de passageiros, numa passagem muito competente, que não deixa lugar à dúvida. Todos estão muito à vontade com as secções que envolvem movimento e dança, não fossem alguns deles bailarinos.

A sequência inicial, que é reapresentada no final sob uma nova e pesada luz, põe à prova as capacidades físicas e interpretativas do quinteto que compõe a peça, dando um nó final num cruzeiro surreal.

O espectáculo foi co-produzido pela Rede 5 sentidos, o que lhe deu a oportunidade de ser apresentado nos 11 teatros que a compõem. Além disso, teve a oportunidade de ter um período de ensaios mais alargado e várias residências artísticas.

Entrevista de Raquel Castro ao Coffeepaste, em que fala do espectáculo, do seu processo criativo, e das artes performativas em Portugal.

06 e 07 Dez 2017
Maria Matos Teatro Municipal
Lisboa

criação e direção artística: Raquel Castro
dramaturgia: Joana Bértholo
interpretação: Anaisa Lopes, David Marques, João Villas Boas, Marco da Silva Ferreira e Teresa Coutinho
assistência à criação: Filipa Matta
apoio teórico: Ana Bigotte Vieira
desenho de luz: Rui Monteiro
cenografia: José Capela
sonoplastia e música original: Miguel Mendes
produção: Barba Azul
produção executiva: Vítor Alves Brotas
coprodução:
Rede 5 Sentidos – Teatro Viriato, Teatro da Guarda, Maria Matos Teatro Municipal, Centro Cultural Vila Flor, Teatro Virgínia, Centro de Artes de Ovar, Teatro Académico Gil Vicente, Teatro Micaelense, Teatro Nacional de São João, Teatro Municipal do Porto, O Espaço do Tempo

Foto: Mariana Silva

Categorias: Teatro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *