Nos últimos anos, Lígia Soares tem-se interessado pela forma como o público se relaciona e pode participar na acção. Foi assim em “Romance”, e é assim neste “O Ato da Primavera”. De facto, nas sete peças que compõem este espectáculo, são os espectadores que as interpretam. Com recurso a uma instalação de monitores (uma espécie de telepontos) e microfones, que se reconfiguram para cada peça, os “actores emprestados” conseguem interpretar, sem ensaios nem outra preparação, estes textos.

As sete peças são:

  • “Sou eu” de Nuno Moura
  • “Forty Love” de Ricardo Vaz Trindade
  • “não costumo falar contigo” de Miguel Castro Caldas
  • “Sim Mas Não” de Andresa Soares
  • “E Morrer no Assombro” de Sónia Baptista
  • “1991, última conversa” de Tiago Rodrigues
  • “Max. Peça para cinco vozes” de José Maria Vieira Mendes

Os espectadores de cada sessão vão sendo convidados, à vez, para darem voz e corpo aos personagens das várias peças. Uns com mais naturalidade, outros menos, mas todos cumprindo o seu papel com brio.  Os textos vão desde o humor à nostalgia, da memória ao nonsense, representando as vozes dentro das sete vozes dos sete autores.

“A Arte Progressiva dificilmente tolera uma atitude contemplativa”. É a frase de Theodor Adorno que se pode ler no programa deste espectáculo. E, de facto, Lígia Soares defende-o ao colocar o espectador na posição “activa”, dentro da acção (passe a redundância). Este vosso amigo, que só gosta de ver o palco do lado da plateia, passou para o outro lado duas vezes. Não é a posição mais confortável do mundo para um introvertido, mas há que admitir que deixar essa postura contemplativa não deixou de ser um desafio interessante.

19 outubro – 11 novembro 2017.
Teatro Nacional D. Maria II
Lisboa

conceito e coordenação artística Lígia Soares
autores das peças Andresa Soares, José Maria Vieira Mendes, Miguel Castro Caldas, Nuno Moura, Ricardo Vaz Trindade, Sónia Baptista e Tiago Rodrigues
composição musical e sonora João Lucas
luz Rui Monteiro
edição de vídeo Francisco Moreira
produção Máquina Agradável
coprodução TNDM II
Categorias: Teatro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *