A História grava normalmente a visão dos vencedores. Nunca vamos ver num livro de História os vencidos, invadidos ou “descobertos” dizer o quão fabulosa foi aquela altura em que estavam muito bem na vidinha deles e uns bárbaros entraram pela terra dentro.

Essa é um pouco a premissa de “Os Netos de Gungunhana”: partindo da obra de Mia Couto somos apresentados a uma adaptação que nos mostra a história desse grande imperador africano feito prisioneiro por Mouzinho de Albuquerque, o último imperador do Império de Gaza. Mas mais do que mostrar a história o que o Teatro Bando faz é apresentar-nos hipotéticos netos, netos de todas as muitas esposas de Gungunhana, netos de uma vida de Diáspora, de uma separação imposta e de uma comunidade destruída.

A peça divide-se em duas partes: inicialmente os netos apresentam-se numa conferência para falar do avô, misturam-se histórias, soltamos gargalhadas. Na segunda parte, a junção destes pedaços de história mostra-nos luta, dor. O outro lado da história que sempre ouvimos. O lado do Gungunhana exposto após cárcere, escarnecido por um povo que o observava sem compreender quanto a diferença é simplesmente o resultado de nascer noutro lugar.

E enquanto somos levados por textos de Mia Couto olhamos para cima e por momentos somos envolvidos pela estupenda cenografia, somos também nós netos de um Gungunhana, todos nós descendentes de uma qualquer aldeia.

Netos de gungunhana, de Mia Couto (Encenação João Brites)
25 outubro a 11 novembro 2018
São Luiz Teatro Municipal
Lisboa

Criação Teatro O Bando Texto Mia Couto Dramaturgia Miguel Jesus Encenação e cenografia João Brites Música Jorge Salgueiro Corporalidade Giselle Rodrigues Figurinos Clara Bento Desenho de luz Guilherme Noronha Interpretação Alice Stefânia, Bruno Huca, Diego Borges, Fernando Santana, Raul Atalaia, Rita Couto, Sufaida Moyane, Suzana Branco e Té Macedo Grupos parceiros Fundação Fernando Leite Couto, Teatro do Instante Apoio Instituto Camões, FUNDAC – Moçambique e UNDANDY Coprodução Teatro O Bando e São Luiz Teatro Municipal

Foto: José Frade

Categorias: Teatro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *