Para encerrar o Alkantara Festival, a organização escolheu o mais recente trabalho de Christiane Jatahy, “Ítaca”.

Inspirado na “Odisseia” de Homero, e sobre outras odisseias, reais ou imaginadas, o espectáculo volta a cruzar cinema com teatro, e o documental e a ficção, marcas distintivas da criadora brasileira.

A artista cruza a história do poema épico com temas dos dias de hoje, como o dos refugiados, a guerra, a xenofobia e o nacionalismo, e muitas das questões que deles se levantam.

São também abordadas as relações de poder entre homem e mulher, entre Penélope e pretendentes, entre Ulisses e Calipso. Ou será uma combinação e mistura de todos?

O papel da mulher na sociedade volta a estar em foco neste trabalho, sendo as interpretações de Isabel Teixeira, Julia Bernat e Stella Rabello (habituais colaboradoras de Jatahy) fortíssimas. Também os actores masculinos, Cédric Eeckout, Karim Bel Kacem, e Matthieu Sampeur, dão contributos importantes para o todo.

O espectáculo é falado em português e francês. É curioso imaginar como diferentes públicos, nomeadamente falantes de cada uma das línguas, apreendem a experiência. Se, para o público francês, a referência é a sua língua, para o público lusófono acontece o correspondente em português. O mesmo objecto tem assim vivências diferentes.

O espectador é de novo, e sempre, implicado na acção. Não consegue assumir um papel distante, sendo convocado a participar, seja em pequenas interacções, seja fazendo “a viagem” entre a primeira e a segunda parte do espectáculo.

A actriz Isabel Teixeira, em declarações ao jornal “O Globo”, define o espectáculo como “uma tentativa de um retrato do que vivemos hoje, que é cruel. Mas por mais pesada que seja, a peça traz uma esperança amorosa”.

Como fazemos para mudar? É a questão que Jatahy nos coloca a cada espectáculo. Continuemos a procurar a resposta. Sempre.

Entrevista de Christiane Jatahy ao Coffeepaste

Ítaca – Nossa Odisseia, de Christiane Jatahy
(Alkantara Festival)
7-11 junho 2018
São Luiz Teatro Municipal
Lisboa

Interpretação: Cédric Eeckout, Isabel Teixeira, Julia Bernat, Karim Bel Kacem, Matthieu Sampeur e Stella Rabello; Direção, dramaturgia e cenário: Christiane Jatahy; Colaborador artístico, luz e cenário: Thomas Walgrave; Colaboração no desenvolvimento da cenografia: Marcelo Lipiani; Designer de som: Alex Fostier; Diretor de fotografia imagens: Paulo Camacho; Figurinos: Siegrid Petit-Imbert, Géraldine Ingremeau; Sistema de vídeo: Julio Parente; Assistente de direção: Marcus Borja; Colaborador artístico / tour manager e produtor da Cia Henrique Mariano;

Produção Odéon-Théâtre de l’Europe
Coprodução: Théâtre National Wallonie-Bruxelas, Centre Cultural Onassis – Atenas; Comédie de Genève e São Luiz Teatro Municipal, Lisboa.
Apoio CENTQUATRE – Paris

Tags:
Categorias: Teatro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *