Partindo das personagens criadas por Tchékhov na peça “O Ginjal” somos levados para o quarto das crianças onde se encontram velhos amigos e familiares ao fim de alguns anos apartados.

Compreendemos que, com o passar dos anos, o espólio familiar decresceu e, estando à beira da ruína, a família reuniu-se para debater alternativas para manter a quinta, com o seu ginjal, com todas as memórias e valor (sentimental e monetário) da mesma. Neste ponto entrecruza-se o conceito por detrás de “Os Cavalos Também Se Abatem” de Horace McCoy: para manter a quinta, os interessados deverão participar numa corrida – serão cobaias de uma experiência física extenuante, irão pagar com o suor dos seus rostos o dinheiro que não possuem.

Esta maratona financeira é apresentada como um musical em que as escolhas são corajosas (por tão díspares que são) mas que, no seu global, se conjugam bem. Os figurinos são simples mas pensados assim como a própria cenografia.

Como em qualquer catástrofe vemos todas as personagens colocarem o seu máximo esforço nessa corrida de vida ou morte enquanto vamos conhecendo as próprias lutas de cada uma: a luta contra o monstro das sombras na rua, a luta do dia-a-dia, da vida “lá fora”; enquanto isso, outra luta vai ocupando e consumindo, de uma forma pessoal, mais silenciosa e, por vezes, até mais negra o pensamento de cada personagem.

Um texto cru que nos invade numa noite fria para mostrar que o oportunismo está muitas vezes presente. Um texto limpo, revisitado para nos mostrar que num mundo minado por esse mesmo oportunismo somos melhores quando estamos juntos mas, infelizmente, mesmo assim, isso pode não ser suficiente: quando o dinheiro/poder estão nas mãos de quem com pouco mais do que isso se preocupa, nem toda a força de vontade consegue reverter o mal já feito.

É Difícil Para Mim Dançar!
19-29 dezembro 2018
Teatro da Politécnica
Lisboa

Texto: Anton Tchékhov e Mário Coelho
Dramaturgia e Encenação: Mário Coelho
Apoio à Criação: Filipe Baptista
Elenco: Anabela Ribeiro, Anna Leppänen, Cirila Bossuet, Cleo Tavares, Erica Rodrigues, Mariana Fonseca, Mariana Gomes, Mariana Guarda, Pedro Baptista, Rita Rocha Silva e Rita Silvestre
Apoio ao Movimento: Ana Moreno e Filipe Baptista
Desenho de Luz: Manuel Abrantes

Fotografia: Alípio Padilha

Categorias: Teatro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *