Que têm em comum Lisboa, Rio de Janeiro, Ponta Delgada, Loulé, Minde, Paredes de Coura, Sever do Vouga, Ovar e Manaus? Foram os locais onde Raquel André coleccionou os 137 amantes que compõem a colecção que nos apresenta no palco do Teatro Nacional D Maria II. O espectáculo estreou nesta sala em 2015, correu várias cidades, e aqui volta com um elenco de amantes reforçado.

Esta é a primeira colecção da série “Colecção de Pessoas”. A artista já apresentou a sua “Colecção de Coleccionadores”, e prepara a “Colecção de Artistas” e a “Colecção de Espectadores”. Todas tem em comum encontros com pessoas das mais diversas proveniências, experiências, géneros e passados. Raquel priva com elas, e retira desses encontros emoções, segredos, objectos, estatísticas e, em alguns casos, lágrimas.

Duas palavras que retive desta performance foram “intimidade” e “solidão”. Raquel André torna-se intima de cada um dos seus 137 amantes, uns de forma mais próxima do que outros, mas é uma característica sempre presente nestes encontros e no espectáculo. Outro tema que percorre muitos dos testemunhos é a solidão e de como, por uma hora, se pode enganá-la.

Raquel desfia números e histórias desses encontros que são, por vezes engraçados, por vezes comoventes, por vezes ambos.

O suporte multimédia a que nesta performance recorreu foi a fotografia. Mais de 5000, que ao longo de três anos reuniu no seu computador, e num disco externo.

O final do espectáculo é um momento de revelação e de partilha particularmente tocante.

“Colecção de Amantes” está em cena até dia 22 de Novembro.

Raquel André em entrevista ao Coffeepaste, onde fala das suas colecções, do seu percurso, e do acto de criar.

15 – 22 novembro 2017
Teatro Nacional D Maria II
Lisboa

conceito, direção, produção e em cena Raquel André
cocriação António Pedro Lopes, Bernardo de Almeida, Raquel André
música noiserv
sonoplastia Tiago Martins
design de som João Neves
desenho de luz Rui Monteiro
coordenação técnica Carolina Caramelo
adaptação de luz e direção técnica em digressão Eduardo Abdala, Cárin Geada
comunicação António Pedro Lopes
produção executiva Mónica Talina
colaboração artística na estreia Fabíola Lebre
coprodução TNDM II, TEMPO Festival das Artes
parceria Festival Tempd d’Images e LEFFEST
apoio à pesquisa de mestrado de Raquel André Bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian
financiamento Direção Geral das Artes, Governo de Portugal

Foto Alípio Padilha

Categorias: Performance

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *