Que lugar nenhum é este em que todos estamos? Numa cidade conhecida por ser sempre um lugar presente, mas numa época que nos distanciou dos caminhos habituais e dos abraços costumeiros é necessário voltar a adicionar os nossos lugares.

Sábado, pelas 19h a Keli pegou-nos metaforicamente pela mão (sempre mantendo este distanciamento social, este isolamento higienizado) e levou-nos com ela à sua infância.

Somos convidados a assistir a uma apresentação de um texto que nunca foi pensado para ser apresentado e só isso já abre uma porta para uma conversa mais íntima. Ao seu jeito, o jeito a que vamos começando a habituar-nos, a Keli quebra barreiras e aproxima-se do público com recurso à sua empatia. Em certos momentos, o texto envolve-nos com uma capacidade que quase nos parece que somos a única pessoa para quem a Keli está a falar. O dispositivo cénico prima pela sua simplicidade: vemos uma apresentação em que a Keli vai virando páginas de um livro, capítulo a capítulo, enquanto nos lê todo o percurso da sua viagem até aos 33 anos.

E vamos. Viajamos para celebrar as 33 voltas ao Sol e voltamos a Três Corações, Minas Gerais. Esta é a terra que ficou mundialmente conhecida por ter parido o Pelé. E, anos mais tarde a Keli nasceu lá surgindo para uma terra sua que será sempre a de Pelé. E entre imagens antigas, recortes de memória, letras desenhadas e decisões imprevistas essa terra passa a ser cada vez mais dela pois é pela sua mão que voltamos a ser a criança que brinca na quadra do bloco Castelo Branco.

Um texto doce como só pode ser um texto em que refletimos a nossa infância mas sem deixar de ser incisivo e cómico. Parecendo leve e descomprometido, Keli toca ainda em temas como igualdade de género: “E o senhor, é marido de quem?”. Sorrindo por trás da máscara vamos situando cada vez mais Três Corações como a terra da Keli. Da mesma forma que o Barreiro não foi só e nunca será apenas a terra do Chalana.

Adicionar um lugar ausente, de Keli Freitas
18 de julho 2020
São Luiz Teatro Municipal

Texto, direção e interpretação Keli Freitas
Apoio à criação Joana Levi
Apoio Técnico Pri Maria

Categorias: Teatro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *