Quanto mais recuamos no tempo mais arrojada e mais criativa se apresenta a arte da construção. Nessa mesma altura, o corpo era encarado como algo divino, era admirado e estudado ao mais ínfimo pormenor.

Partindo do conhecimento que temos sobre as 7 Maravilhas do Mundo Antigo e usando o corpo humano como a medida base da construção, Radouan Mriziga transporta-nos para um mundo paralelo de forma, luz, cor e som.

Durante 85 minutos, ao som de um Kanun, seis intérpretes apresentam o corpo como fonte de som e movimento mas também como instrumento de medida: as fundações de um templo baseadas nesse outro templo que é o corpo humano.

7, de Radouan Mriziga
(Alkantara Festival)
25 e 26 maio 2018
São Luiz Teatro Municipal
Lisboa

Conceito e Coreografia: Radouan Mriziga
Criação e Interpretação: Radouan Mriziga, Maïté Jeannolin, Zoltán Vakulya, Bruno Freire, Eleni-Ellada Damianou, Lana Schneider, Suhad Najm Abdullah
Em colaboração com a artista visual: Lana Schneider
Músico: Suhad Najm Abdullah
Figurinos: Annabelle Locks
Aconselhamento Dramatúrgico: Esther Severi
Aconselhamento Artístico: Alina Bilokon
Assistência: Sara Chéu
Agradecimentos: Jozef Wouters
Produção: Moussem Nomadic Arts Center
Difusão: Something Great
Coprodução: Kaaitheater, Kunstenfestivaldearts, Sharjah Art Foundation, C-Mine cultuurcentrum Genk, Vooruit, Pact Zollverein

Tags:
Categorias: Dança

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *